Boris Johnson vence por ampla margem no Reino Unido

Chatham House / Wikimedia

Boris Johnson, o novo primeiro-ministro britânico

O Partido Conservador do atual primeiro-ministro, Boris Johnson, conquistou a maioria absoluta dos assentos no Parlamento do Reino Unido nas eleições realizuadas nesta quinta-feira (12/12) no país. Esse resultado eleitoral garante ao premiê o número de parlamentares necessários para conduzir o Brexit em 31 de janeiro.

Os conservadores obtiveram 364 assentos dos 650 da Câmara dos Comuns, o suficiente para garantir uma maioria absoluta confortável, o que permite também que Johnson continue no posto de premiê. O Partido Trabalhista, de Jeremy Corbyn, elegeu 203 parlamentares, seu pior resultado desde 1935, quando conquistou 154 cadeiras.

O Partido Nacional Escocês, por sua vez, garantiu 48 cadeiras; os Liberais Democratas, 11; o Partido Unionista Democrático (DUP), oito; o partido irlandês Sinn Féin (SF), sete; o Plaid Cymru (nacionalistas galeses), quatro; e os Verdes, três.

Cerca de 46 milhões de britânicos foram chamados às urnas no pleito antecipado, o quarto em quatro anos, convocado pelo governo para tentar desbloquear o impasse criado no Parlamento pelo processo de saída do país da União Europeia (UE).

O Partido Conservador obteve uma vitória mais expressiva do que a esperada, conquistando ainda sua maior bancada na Câmara dos Comuns desde 1987, na era Margaret Thatcher. Durante a campanha, Johnson reiterou diversas vezes a promessa de executar o Brexit até 31 de janeiro de 2020.

O premiê agradeceu aos britânicos pela participação nas eleições. “Agradeço a todos em nosso grande país que votaram, aos voluntários, aos que se apresentaram como candidatos. Vivemos na melhor democracia do mundo“, escreveu ele no Twitter.

A partir de agora, o primeiro-ministro poderá promover o Brexit em 31 de janeiro, dez meses depois do planejado incialmente. O adiamento se deve a um impasse no Parlamento – que votou três vezes contra um acordo negociado pela ex-premiê Theresa May e recusou aprovar em três dias o acordo negociado por Johnson, inviabilizando assim a saída no final de outubro.

Para desbloquear esse impasse, Johnson convocou a eleição antecipada, a primeira a ser realizada em um mês de dezembro no Reino Unido desde 1923. Durante a campanha, o premiê prometeu finalizar o divórcio com a União Europeia e aumentar os gastos com saúde, educação e segurança.

Após o Brexit, o Reino Unido deverá negociar um acordo comercial com a União Europeia. Os conservadores prometeram concluir esse processo em apenas um ano.

A promessa é vista como uma ilusão – a título de comparação, levou sete anos para o bloco europeu concluir um acordo comercial com o Canadá, considerado um modelo para o Reino Unido por muitos britânicos pró-Brexit. E qualquer tratado precisaria ser assentido pelos 27 Estados-membros restantes da UE antes de entrar em vigor.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Quantos anos de vida saudável os ricos ganham em relação aos pobres?

Um novo estudo europeu e americano descobriu que os ricos possuem cerca de nove anos de vida saudável a mais do que os pobres. A pesquisa foi bastante abrangente – os cientistas analisaram dados de mais …

O país sul-americano que deve crescer 14 vezes mais que a China neste ano

A Guiana ganhou na loteria e está prestes a resgatar o prêmio. Seus vizinhos, especialmente a Venezuela, aguardam intrigados para saber em que ela vai gastar. De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia …

Portugal supera marca histórica de 500 mil imigrantes residindo no país; brasileiros são a maioria

Portugal atingiu um número recorde de imigrantes vivendo no país. O anúncio foi feito pelo governo nesta quarta-feira (15), durante debate no Parlamento sobre o Orçamento de Estado para 2020. "Os dados preliminares levam a dizer …

Papa Francisco nomeia primeira mulher para cargo de alto escalão no Vaticano

Pela primeira vez, uma mulher ocupará um cargo de alto nível no Vaticano. O Papa Francisco nomeou Francesca Di Giovanni para a função de vice-ministra da Secretaria de Estado da Santa Sé, órgão equivalente ao …

Khamenei chama Trump de "palhaço" e exalta ataque a bases dos EUA

Em primeiro sermão desde 2012, líder supremo do Irã afirma que Trump finge apoio ao povo iraniano e pede união após dizer que queda de avião foi "acidente trágico". EUA admitem que militares ficaram feridos. O …

Uma desconhecida explosão de ondas gravitacionais foi detectada na Terra

Os detectores de ondas gravitacionais da Terra, os observatórios LIGO e Virgo, identificaram uma misteriosa “explosão” de ondas gravitacionais não prevista na última terça-feira, 14 de janeiro. As ondas gravitacionais detectadas até hoje foram resultado de …

Twitter pede desculpas por permitir anúncios direcionados a neonazistas

O Twitter emitiu hoje (16), um pedido de desculpas público, logo após a BBC fazer uma denúncia de que a plataforma de anúncios da empresa estava permitindo o direcionamento de conteúdo para neonazistas e outros …

SP quer lei para incentivar uso de veículos híbridos e elétricos

Um novo projeto de lei apresentado em São Paulo pretende combater os problemas ambientais provocados pelos carros à combustão, que utilizam os tão poluentes combustíveis fósseis, através do incentivo ao uso de veículos elétricos ou …

Ataques iranianos teriam deixado 11 militares dos EUA feridos

Ao menos 11 militares norte-americanos foram retirados do Iraque para receberem tratamento médico em decorrência dos ataques iranianos contra as bases dos EUA. "Quando ficarem aptos para o serviço, estes militares regressarão ao Iraque", declarou à …

Evo recua e diz que não pretende mais criar milícias

Em carta pública divulgada nesta quinta-feira (16/01), o ex-presidente da Bolívia Evo Morales, que está refugiado na Argentina há mais de um mês, recuou da ideia de promover a formação de milícias no país. "Há alguns …