Boris Johnson vence por ampla margem no Reino Unido

Chatham House / Wikimedia

Boris Johnson, o novo primeiro-ministro britânico

O Partido Conservador do atual primeiro-ministro, Boris Johnson, conquistou a maioria absoluta dos assentos no Parlamento do Reino Unido nas eleições realizuadas nesta quinta-feira (12/12) no país. Esse resultado eleitoral garante ao premiê o número de parlamentares necessários para conduzir o Brexit em 31 de janeiro.

Os conservadores obtiveram 364 assentos dos 650 da Câmara dos Comuns, o suficiente para garantir uma maioria absoluta confortável, o que permite também que Johnson continue no posto de premiê. O Partido Trabalhista, de Jeremy Corbyn, elegeu 203 parlamentares, seu pior resultado desde 1935, quando conquistou 154 cadeiras.

O Partido Nacional Escocês, por sua vez, garantiu 48 cadeiras; os Liberais Democratas, 11; o Partido Unionista Democrático (DUP), oito; o partido irlandês Sinn Féin (SF), sete; o Plaid Cymru (nacionalistas galeses), quatro; e os Verdes, três.

Cerca de 46 milhões de britânicos foram chamados às urnas no pleito antecipado, o quarto em quatro anos, convocado pelo governo para tentar desbloquear o impasse criado no Parlamento pelo processo de saída do país da União Europeia (UE).

O Partido Conservador obteve uma vitória mais expressiva do que a esperada, conquistando ainda sua maior bancada na Câmara dos Comuns desde 1987, na era Margaret Thatcher. Durante a campanha, Johnson reiterou diversas vezes a promessa de executar o Brexit até 31 de janeiro de 2020.

O premiê agradeceu aos britânicos pela participação nas eleições. “Agradeço a todos em nosso grande país que votaram, aos voluntários, aos que se apresentaram como candidatos. Vivemos na melhor democracia do mundo“, escreveu ele no Twitter.

A partir de agora, o primeiro-ministro poderá promover o Brexit em 31 de janeiro, dez meses depois do planejado incialmente. O adiamento se deve a um impasse no Parlamento – que votou três vezes contra um acordo negociado pela ex-premiê Theresa May e recusou aprovar em três dias o acordo negociado por Johnson, inviabilizando assim a saída no final de outubro.

Para desbloquear esse impasse, Johnson convocou a eleição antecipada, a primeira a ser realizada em um mês de dezembro no Reino Unido desde 1923. Durante a campanha, o premiê prometeu finalizar o divórcio com a União Europeia e aumentar os gastos com saúde, educação e segurança.

Após o Brexit, o Reino Unido deverá negociar um acordo comercial com a União Europeia. Os conservadores prometeram concluir esse processo em apenas um ano.

A promessa é vista como uma ilusão – a título de comparação, levou sete anos para o bloco europeu concluir um acordo comercial com o Canadá, considerado um modelo para o Reino Unido por muitos britânicos pró-Brexit. E qualquer tratado precisaria ser assentido pelos 27 Estados-membros restantes da UE antes de entrar em vigor.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Japão lembra 75 anos de bomba de Hiroshima e pede união contra armas nucleares

Esta quinta-feira (6) marca o 75º aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo. Cerca de 140 mil pessoas morreram no bombardeio à cidade japonesa, realizado pelo Estados Unidos no fim da Segunda Guerra …

Donald Trump determina bloqueio do TikTok e WeChat nos EUA em 45 dias

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump assinou na noite de ontem (6) uma ordem executiva determinando o fim de relações com as empresas responsáveis pelos apps TikTok e WeChat no país norte-americano. Em comunicado emitido …

Brasil caminha para ter 200 mil mortes pelo coronavírus até outubro, diz especialista

Na semana em que o Brasil deverá registrar 100 mil mortes pelo novo coronavírus, um especialista brasileiro indica que o país caminha para dobrar esse número em dois meses, atingindo 200 mil óbitos pela pandemia …

Petição defende que França assuma controle do Líbano

Suspeita de que desastre em Beirute foi causado por negligência eleva indignação dos libaneses, que pedem mandato francês pelos próximos dez anos no país. Apelo recebe mais de 50 mil assinaturas após visita de Macron. Quase …

Macron visita Beirute devastada e cobra reformas no Líbano

Presidente francês visita local da explosão e ouve apelos por mudanças por parte da população, para quem o desastre é consequência de anos de corrupção, caos público e má gestão. O presidente da França, Emmanuel Macron, …

Após ser engolido, besouro consegue escapar do intestino dos sapos

Uma pesquisa mostrou que o besouro aquático Regimbartia attenuata tem a capacidade de sobreviver ser engolido por um sapo. Todos já ingerimos coisas que parecem querer sair correndo de dentro de nós, mas deve ser muito …

Disney+ chegará à América Latina em novembro

Ao divulgar que ultrapassou a marca de 60 milhões de assinantes, a Disney também reforçou uma informação que traz esperança a muita gente: o Disney+ deve mesmo chegar à América Latina em novembro. A informação foi …

China exorta Trump a não abrir 'caixa de Pandora' com aquisição do TikTok

China apela aos EUA que não abram a caixa de Pandora, exigindo vender a companhia TikTok, eles serão os próprios culpados pelas consequências, declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin. O presidente …

Twitter bloqueia conta oficial de campanha de Trump

O Twitter anunciou nesta quarta-feira (5) ter bloqueado temporariamente a conta oficial da campanha de reeleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por conta de um tuíte que continha informação equivocada sobre a …

Líbano inicia luto nacional e recebe ajuda internacional

Diversos países enviam suprimentos médicos a Beirute. Presidente da França chega ao Líbano para avaliar situação. Megaexplosão deixou ao menos 137 mortos, incluindo diplomata alemão, e mais de 5 mil feridos. Beirute amanheceu nesta quinta-feira (06/08) …