O que o caso da menina de 10 anos estuprada mostra sobre violência e machismo no Brasil

Elza Fiúza / ABr

Desde 1940, o Código Penal permite o aborto em caso de estupro. Ainda assim, o recente caso da menina de 10 anos vítima de estupro mostra como fazer cumprir um direito das mulheres pode não ser simples.

Moradora do Espírito Santo, a criança foi vítima de abusos praticados por um tio e começou a reclamar de dores no abdômen. Após a fonte do incômodo ser diagnosticada como uma gravidez, o Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes se negou a cumprir o direito legal da vítima em interromper sua gravidez. A criança, então, precisou viajar para Recife para conseguir realizar o aborto.

Antes disso, todavia, ela e sua família foram vítimas de assédio por parte de militantes antiaborto e a família recebeu visita de assessores da ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, e do deputado estadual Lorenzo Pazolini (Republicanos). De acordo com reportagem da revista piauí, o objetivo foi demover a criança e sua família de seu desejo de interromper a gravidez.

“Apesar do aborto ser permitido no Brasil desde 1940, ele não foi um direito que de fato saiu do papel por resistência de grupos ultraconservadores que se aliam para impedir a implementação plena dos direitos das mulheres no Brasil. E, em situações de crise, são os primeiros direitos a serem negociados”, afirma em entrevista à Sputnik Brasil a doutoranda em direito pela Universidade de Victoria, no Canadá, Tamara Gonçalves.

Integrante do Comitê Latino Americano e Caribenho pela Defesa dos Direitos da Mulher, Gonçalves destaca que, em 2016, o Brasil tinha 250 serviços de saúde especializados em violência contra mulher e que apenas 37 destes locais realizavam aborto legal quando foi realizado o levantamento. Para a pesquisadora, essa dificuldade em acessar o aborto legal é uma prática deliberada.

Enquanto viajava rumo ao Recife, a menina vítima do abuso que ganhou manchetes no Brasil teve seu nome e endereço divulgados pela extremista Sara Giromini, conhecida como Sara Winter e ex-assessora de Damares.

O hospital onde ela realizaria o aborto também foi revelado por Giromini e o local foi cercado por manifestantes que tentaram impedir que a menina tivesse acesso ao seu direito. Ainda de acordo com a revista piauí, a movimentação forçou a menina e a sua avó a entrarem na unidade hospitalar pelo porta-malas de um carro.

A presidente do Movimento Brasil sem Aborto, Lenise Garcia, não acredita que houve abuso por parte dos ativistas que cercaram o Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros, em Recife, “porque se tratava de salvar uma vida”.

Ela avalia que o único excesso cometido foi a divulgação da identidade da garota vítima de violência sexual. Para Garcia, a menina poderia levar à gravidez “se não a termo, até o momento em que se pudesse fazer uma cesárea”.

“A minha avaliação é a seguinte: ela acabou sendo duplamente vítima. Foi vítima do estupro e depois foi vítima do aborto, do modo como foi feito. Sem dúvida, a primeira vítima a criança de 5 meses que morreu, mas outra criança de 10 anos também é vítima nessa situação toda”, diz a presidente Movimento Brasil sem Aborto à Sputnik Brasil.

Maior parte das vítimas conhece o abusador

O Brasil registrou 180 estupros por dia em 2018, de acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Este número, contudo, é apenas uma fração do real já que pesquisa do Ministério da Justiça de 2013 indicou que apenas 7,5% das vítimas de violência sexual notificam as autoridades.

As crianças são o grupo mais afetado por este tipo de violência sexual: 26,8% de todas as vítimas de estupro tinham no máximo 9 anos e 53,6% das vítimas, no máximo 13 anos. Além disso, 75,9% das vítimas conhecem o abusador, seja ele um parente, companheiro ou amigo.

Em entrevista à Sputnik Brasil, a socióloga e cientista política Jacqueline Pitanguy ressalta que 21.172 bebês nasceram de crianças entre 10 e 14 anos em 2018, de modo que a criança do Espírito Santo que mobilizou os holofotes do Brasil teve acesso ao tratamento que muitas outras pessoas não recebem.

Para ela, “o Brasil está se guiando hoje pelo espelho retrovisor, está indo para trás” e se alinha a um movimento global de governos de “direita e extrema-direita” que luta contra os direitos das mulheres.

A pesquisadora destaca que o aborto da menina é legal e previsto na lei, mas ainda assim virou um tema controverso porque existem “extremistas em espaços de governo e na sociedade civil”.

“O corpo da mulher historicamente sempre foi submetido, sempre foi um objeto de negociação e sempre foi, digamos assim, um troféu de domínio patriarcal sobre a vontade da mulher”, diz Pintaguy.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Oxford testa ivermectina como possível tratamento contra covid-19

Universidade quer verificar se medicamento antiparasitário pode trazer benefícios a infectados pelo coronavírus e evitar hospitalizações. Remédio é defendido por Bolsonaro como parte do chamado tratamento precoce. A Universidade de Oxford, no Reino Unido, afirmou nesta …

Aquecimento global fará milhões de vítimas, diz texto da ONU

Dezenas de milhões de pessoas deverão sofrer de fome, seca e doenças nas próximas décadas devido às mudanças climáticas, segundo rascunho de relatório de 4 mil páginas preparado por painel de especialistas. As mudanças climáticas irão …

Blocos flutuantes podem indicar que Vênus está geologicamente ativo

Uma equipe internacional de cientistas descobriu que a superfície de Vênus possui um manto gelatinoso, com pedaços sólidos de crosta flutuando e se movimentando como blocos de gelo. Para os especialistas, esta atividade fornece possíveis indicações …

Fábrica russa eliminará deficiências na produção da Sputnik V de acordo com recomendações da OMS

Em resultado de inspeções efetuadas na Rússia, o grupo de especialistas da Organização Mundial da Saúde fez várias observações sobre a fabricação da vacina Sputnik V. Estas são ligadas principalmente à proteção do meio ambiente …

Brasil ultrapassa Índia e volta a ser líder mundial em mortes diárias por coronavírus

Em meio ao avanço da terceira onda da pandemia, o Brasil ultrapassou a Índia e voltou à liderança do número de mortes diárias por covid-19 registradas, em média. São mais de 2.000 óbitos registrados por …

Rajadas rápidas de rádio ajudarão a mapear distribuição de matéria no universo

O novo levantamento dos dados coletados pelo radiotelescópio CHIME (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment) resultou em mais de 500 rajadas rápidas de rádio devidamente catalogadas, todas feitas durante o primeiro ano de atuação do telescópio. Agora, …

Lider da UE chama lei húngara anti-LGBT de vergonha

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, afirma que vai usar poderes de que dispõe para garantir direitos de todos os cidadãos do bloco. Países pediram à UE que agisse. A presidente da Comissão Europeia, …

Apesar de ter vacinado mais da metade da população, Israel teme 2ª onda de Covid

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, alertou nesta terça-feira que o país pode enfrentar uma nova onda de coronavírus. Segundo ele, o aumento do número de doentes, causado pela chegada da variante Delta, “importada” por …

Cientistas resolvem enigma de esculturas de pedra de 3.200 anos da Turquia

Um recente estudo permitiu descobrir finalmente o significado e a função dos relevos em pedra criados há 3.200 anos no santuário de Yazilikaya, na Turquia, após 200 anos de conjeturas. No século XIII a.C., a alguns …

EUA não devem esperar retomada do diálogo com Pyongyang, diz irmã de Kim Jong-un

As expectativas de retomada do diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte são erradas, podendo levar a uma "decepção ainda maior", declarou a irmã do líder norte-coreano. Na terça-feira (22), Kim Yo Jong, alta …