Trump e Putin na Finlândia: “Nosso relacionamento nunca foi pior”

Michael Klimentyev / Sputnik / Kremlin Pool

O presidente russo, Vladimir Putin com Donald Trump na cúpula do G20, em julho do ano passado

Os presidentes dos EUA e da Rússia realizam, nesta segunda-feira (16), em Helsinque, sua primeira cúpula bilateral, sob o espectro da ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016 e ainda da situação na Ucrânia e na Síria.

O encontro entre Donald Trump e Vladimir Putin acontece na residência oficial do chefe de Estado da Finlândia, Sauli Niinisto, e o presidente norte-americano voltaria pela terceira vez a discutir com o homólogo russo sobre a situação na Síria, na Ucrânia e no Oriente Médio, e ainda o estado das relações bilaterais, de que se destaca a suposta ingerência russa nas eleições de 2016.

A cúpula teve início com um encontro privado entre os dois líderes, sendo acompanhado apenas pelos seus intérpretes. Em seguida, ambos participam de um almoço de trabalho conjunto com ministros e assessores, seguido de uma coletiva de imprensa.

No Twitter, o presidente dos EUA escreveu que, graças à investigação de Robert Mueller sobre a suposta ingerência russa nas últimas eleições, o relacionamento entre os dois países nunca foi tão ruim. “Nosso relacionamento com a Rússia nunca foi pior devido aos muitos anos de absurdo e estupidez dos EUA e agora a caça às bruxas”.

Na sexta-feira (13), o procurador-geral adjunto dos Estados Unidos, Rod Rosenstein, revelou a acusação a 12 oficiais de inteligência russa por práticas de pirataria informática no ato que elegeu Donald Trump à Presidência.

Ingerência russa, situação na Ucrânia e na Síria

A proximidade entre os presidentes norte-americano e russo tem sido notória há mais de um ano, como também tem sido um fato que a Administração Trump foi envolvida em controvérsias por causa da ingerência russa.

Antes de viajar para Helsinque, durante a visita que efetuou ao Reino Unido, Trump afirmou que os ataques ao presidente russo são uma “caça às bruxas” e estão prejudicando as relações com Moscou.

“Eu acho que isso prejudica seriamenete o nosso país, e prejudica nossa relação com a Rússia. Eu acho que nós teríamos uma oportunidade de ter uma relação muito boa com a Rússia e uma relação muito boa com o presidente Putin”, afirmou.

Por outro lado, o apoio, difícil de esconder, de Moscou aos separatistas ucranianos e a intervenção militar na Síria, para manter Bashar al-Assad na Presidência, colocam a Rússia e os EUA em lados diferentes do conflito.

Na Síria, o único denominador comum é o combate ao Estado Islâmico, mas isso não é o suficiente para igualar as diferenças que se acumulam entre Washington e Moscou em outros domínios, apesar do bom relacionamento pessoal que os dois presidentes mutuamente cultivam.

A cúpula de Helsinque é a terceira entre presidentes dos dois países e embora não se pronuncie sobre a agenda do encontro, Trump ainda acredita que a melhoria das relações bilaterais assenta no bom relacionamento pessoal que mantém com Putin.

Todavia, em entrevista à CBS News, divulgada neste domingo (15) pela televisão norte-americana, Trump afirmou que não espera muito do encontro: “Não vou com altas expectativas”.

2 mil manifestantes em protesto anti-Trump e Putin

Cerca de 2 mil pessoas se manifestaram neste domingo na capital finlandesa contra as políticas de Putin e Trump. A manifestação percorreu o centro de Helsinque em protesto contra as políticas de imigração da Administração de Donald Trump e a intenção do presidente dos EUA de construir um muro na fronteira com o México e contra a homofobia impulsionada pelo Kremlin, a falta de liberdade e a detenção de ativistas.

O lema da manifestação foi “Seremos novamente grandes nos direitos humanos”, em alusão ao slogan de Donald Trump desde que chegou à Casa Branca, há um ano e meio (“Make America Great Again”). O protesto contra os líderes das duas grandes potências nucleares reuniu ativistas da Anistia Internacional, ecologistas, anarquistas e membros do movimento LGBTI+.

A comunidade ucraniana residente em Helsinque também protestou contra o fato de a Rússia continuar a ocupar a Crimeia. “Que Putin faça tudo o que queira no seu próprio país é uma coisa, mas invadir outros países para roubar territórios não está nada bem”, disse à EFE o ucraniano Víctor Ivanov, que marchou acompanhado da mulher, envolto a uma bandeira da Ucrânia.

Oki, um finlandês que se expressa em russo, percorreu 250 quilômetros desde a cidade de Pori, no noroeste da Finlândia, para se manifestar no centro de Helsinque com um grande cartaz com a palavra de ordem “Deportemos o racismo”. “Queremos que Putin e Trump deixem de estimular guerras em todo o mundo”, disse à agência espanhola.

A poucos metros, Helena, finlandesa que trabalha em uma instituição da ONU em Genebra, exibia um cartaz que exigia a liberdade para o cineasta ucraniano Oleg Sentsov, que cumpre uma pena de 20 anos de prisão na Rússia, por delitos de terrorismo, e que se encontra em greve de fome há dois meses.

“A situação da liberdade de imprensa na Rússia é realmente deplorável. Falar com liberdade e trabalhar para os direitos humanos é muito problemático na Rússia”, afirmou.

Ciberia, Lusa // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …