Trump e Putin na Finlândia: “Nosso relacionamento nunca foi pior”

Michael Klimentyev / Sputnik / Kremlin Pool

O presidente russo, Vladimir Putin com Donald Trump na cúpula do G20, em julho do ano passado

Os presidentes dos EUA e da Rússia realizam, nesta segunda-feira (16), em Helsinque, sua primeira cúpula bilateral, sob o espectro da ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016 e ainda da situação na Ucrânia e na Síria.

O encontro entre Donald Trump e Vladimir Putin acontece na residência oficial do chefe de Estado da Finlândia, Sauli Niinisto, e o presidente norte-americano voltaria pela terceira vez a discutir com o homólogo russo sobre a situação na Síria, na Ucrânia e no Oriente Médio, e ainda o estado das relações bilaterais, de que se destaca a suposta ingerência russa nas eleições de 2016.

A cúpula teve início com um encontro privado entre os dois líderes, sendo acompanhado apenas pelos seus intérpretes. Em seguida, ambos participam de um almoço de trabalho conjunto com ministros e assessores, seguido de uma coletiva de imprensa.

No Twitter, o presidente dos EUA escreveu que, graças à investigação de Robert Mueller sobre a suposta ingerência russa nas últimas eleições, o relacionamento entre os dois países nunca foi tão ruim. “Nosso relacionamento com a Rússia nunca foi pior devido aos muitos anos de absurdo e estupidez dos EUA e agora a caça às bruxas”.

Na sexta-feira (13), o procurador-geral adjunto dos Estados Unidos, Rod Rosenstein, revelou a acusação a 12 oficiais de inteligência russa por práticas de pirataria informática no ato que elegeu Donald Trump à Presidência.

Ingerência russa, situação na Ucrânia e na Síria

A proximidade entre os presidentes norte-americano e russo tem sido notória há mais de um ano, como também tem sido um fato que a Administração Trump foi envolvida em controvérsias por causa da ingerência russa.

Antes de viajar para Helsinque, durante a visita que efetuou ao Reino Unido, Trump afirmou que os ataques ao presidente russo são uma “caça às bruxas” e estão prejudicando as relações com Moscou.

“Eu acho que isso prejudica seriamenete o nosso país, e prejudica nossa relação com a Rússia. Eu acho que nós teríamos uma oportunidade de ter uma relação muito boa com a Rússia e uma relação muito boa com o presidente Putin”, afirmou.

Por outro lado, o apoio, difícil de esconder, de Moscou aos separatistas ucranianos e a intervenção militar na Síria, para manter Bashar al-Assad na Presidência, colocam a Rússia e os EUA em lados diferentes do conflito.

Na Síria, o único denominador comum é o combate ao Estado Islâmico, mas isso não é o suficiente para igualar as diferenças que se acumulam entre Washington e Moscou em outros domínios, apesar do bom relacionamento pessoal que os dois presidentes mutuamente cultivam.

A cúpula de Helsinque é a terceira entre presidentes dos dois países e embora não se pronuncie sobre a agenda do encontro, Trump ainda acredita que a melhoria das relações bilaterais assenta no bom relacionamento pessoal que mantém com Putin.

Todavia, em entrevista à CBS News, divulgada neste domingo (15) pela televisão norte-americana, Trump afirmou que não espera muito do encontro: “Não vou com altas expectativas”.

2 mil manifestantes em protesto anti-Trump e Putin

Cerca de 2 mil pessoas se manifestaram neste domingo na capital finlandesa contra as políticas de Putin e Trump. A manifestação percorreu o centro de Helsinque em protesto contra as políticas de imigração da Administração de Donald Trump e a intenção do presidente dos EUA de construir um muro na fronteira com o México e contra a homofobia impulsionada pelo Kremlin, a falta de liberdade e a detenção de ativistas.

O lema da manifestação foi “Seremos novamente grandes nos direitos humanos”, em alusão ao slogan de Donald Trump desde que chegou à Casa Branca, há um ano e meio (“Make America Great Again”). O protesto contra os líderes das duas grandes potências nucleares reuniu ativistas da Anistia Internacional, ecologistas, anarquistas e membros do movimento LGBTI+.

A comunidade ucraniana residente em Helsinque também protestou contra o fato de a Rússia continuar a ocupar a Crimeia. “Que Putin faça tudo o que queira no seu próprio país é uma coisa, mas invadir outros países para roubar territórios não está nada bem”, disse à EFE o ucraniano Víctor Ivanov, que marchou acompanhado da mulher, envolto a uma bandeira da Ucrânia.

Oki, um finlandês que se expressa em russo, percorreu 250 quilômetros desde a cidade de Pori, no noroeste da Finlândia, para se manifestar no centro de Helsinque com um grande cartaz com a palavra de ordem “Deportemos o racismo”. “Queremos que Putin e Trump deixem de estimular guerras em todo o mundo”, disse à agência espanhola.

A poucos metros, Helena, finlandesa que trabalha em uma instituição da ONU em Genebra, exibia um cartaz que exigia a liberdade para o cineasta ucraniano Oleg Sentsov, que cumpre uma pena de 20 anos de prisão na Rússia, por delitos de terrorismo, e que se encontra em greve de fome há dois meses.

“A situação da liberdade de imprensa na Rússia é realmente deplorável. Falar com liberdade e trabalhar para os direitos humanos é muito problemático na Rússia”, afirmou.

Ciberia, Lusa // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Confira o que cérebro de abelhas tem em comum com o de humanos

Segundo cientistas, existem semelhanças entre a atividade cerebral das abelhas-europeias e a dos humanos, o que poderia levar abelhas a serem usadas para estudar funções cerebrais dos humanos. As oscilações alfa (a atividade eléctrica gerada pelo …

Síndrome bizarra: esse é o primeiro caso de uma pessoa que urina álcool

Médicos do hospital da Universidade de Pittsburgh Medical Center (EUA) relataram o primeiro caso de uma síndrome bizarra na qual a pessoa urina álcool. Em outras palavras, o álcool se forma naturalmente na sua bexiga, …

Amazon abre seu primeiro supermercado que não aceita dinheiro

Dois anos depois de a Amazon inovar no ramo das lojas de conveniência abrindo a sua própria rede que aceita apenas pagamentos virtuais, a empresa está pronta para dar o próximo passo: nesta terça-feira (25), …

Não há motivo para pânico por coronavírus no Brasil, dizem especialistas

O primeiro caso do novo coronavírus no Brasil, confirmado nesta quarta-feira (26/02), levou o estado de São Paulo, onde reside o paciente infectado, a montar um centro de contingência para enfrentamento da doença. Quatro mil leitos, …

Abolição da pena de morte no Colorado entra em vigor em julho

O Colorado, no oeste americano, se tornou o vigésimo segundo estado dos Estados Unidos a abolir a pena capital, depois de um intenso e longo debate, especialmente por parte da oposição republicana. O fim da …

Cannabis tem potencial terapêutico como antibiótico, segundo cientistas

Uma equipe de cientistas da Universidade McMaster, no Canadá, estabeleceu que o canabigerol (CBG) tem potencial no tratamento de bactérias patogênicas. Cientistas da Universidade McMaster no Canadá identificaram um composto antibacteriano gerado pela maconha que poderia …

Escócia será o primeiro país a distribuir absorventes menstruais gratuitamente

O Parlamento autônomo da Escócia deu um passo em direção à gratuidade dos absorventes higiênicos para mulheres - decisão inédita no mundo. A proposta de lei foi votada por 112 deputados e visa lutar contra …

Não precisa sofrer. Carnaval começa cedo em 2021

Com a chegada da quarta-feira de Cinzas, está declarado o fim do Carnaval 2020… Ok, vai… Dá para fazer mais um bota fora na sexta e sábado dessa semana, pois, como sempre, brasileiro dá o …

Coronavírus: antiga vacina pode ter resposta para prevenção contra Covid-19

Novos casos do coronavírus SARS-CoV-2 continuam a se espalhar pelo mundo, mesmo que em velocidade menor de propagação, e sem nenhuma vacina ou medicamento para a prevenção — pelo menos até agora. Já são mais de …

Líderes políticos condenam apoio de Bolsonaro a ato anti-Congresso

Presidente teria compartilhado com aliados convocação para manifestações a seu favor e contra o Legislativo. Lula, FHC, OAB e outras lideranças alertam contra ameaça às instituições democráticas e à Constituição. Líderes políticos de várias correntes e …